Liberdade é só um outro modo de dizer que não há nada a perder ; Janis Joplin

domingo, 4 de abril de 2010

De mim, apenas de mim.
 È um fluxo, uma complexidade, uma felicidade que tento esconder entre os dedos. Possui um significado peculiar, é algo que não consigo descrever com exatidão. Sempre esteve presente em mim, adomercido entre soluções inescrupulosas, em algum canto esquecido entre meus pensamentos. São momentos passivos, desconhecidos, que  teimam em me levar para onde menos desejo.
 São perguntas que sempre me levam para um mesmo inicio, perguntas que me oferecem múltiplas realidades. Algumas que chegam a causar certo prazer, outras que machucam impiedosamente. Às vezes gostaria de transformá-las em fantasias, metamorfoseá-las a imagem de lembranças razoáveis, talvez melhores.
 São emoções relativamente espostas. Sempre que anseio em entrega-las, elas me invadem com mais força. Ainda não possuo o total controle sobre essas questões, é como um mistério eterno, mas que dura pouco. Um pouco no qual conto as horas para acabar, por mais que elas fiquem, sei que vão ficar. Quer saber? Quero que elas fiquem mesmo. È algo contraditório, confesso, mas são elas o motivo pelo qual venho a escrever. São coisas de mim, simplesmente isso.
Só espero que não entendas.


10 Comentários:

Mariana Leal disse...

São coisas de mim, simplesmente isso...

acho que são coisas de todos,me identifiquei :D
adorei seu texto bjs bjs

Bela Lima disse...

"São momentos passivos, desconhecidos, que teimam em me levar para onde menos desejo."
Sei como é...
Amo muito seus textos, sabia?

Queen B disse...

OBRIGAAAAAADA por visitar meu blog :)

volte sempre :D
;***

Rebeca Amaral disse...

Qual a graça que tem em entender?
As coisas incompreensíveis são mais interessantes!

Beijão, menina.

anaa ' disse...

adorei o blog, escreve muuuito bem *-*

Thiara Ribeiro disse...

São perguntas que sempre me levam para um mesmo inicio, perguntas que me oferecem múltiplas realidades.

adoro qdo essas perguntas preenchem o vazio da minha mente...
dá um novo sentindo as minhas dúvidas...e mais perguntas! ^^

;****

Renata disse...

elas nunca vão, é -nem mesmo as ruins. e acho que a graça de tudo isso é não entender mesmo e vivendo com isso, porque são elas que fazem quem você.

você escreve bem (:

Enrique Coimbra disse...

"São perguntas que sempre me levam para um mesmo inicio, perguntas que me oferecem múltiplas realidades."
É bom você sempre passar por lá porque eu sempre terei o lembrete de voltar aqui *-* Beijão.

Alanna Stefhany disse...

ooooun, meus amores, mt obrigado por tudo!
Olha que eu vou, viu Enrique :*

Juliana Mendes disse...

todo mundo tem seus devaneios..
eles tão estão ai para serem compreendidos...
são tão previsiveis..
isso acontece na mudança de habitos, pensamentos, quando os problemas ainda são situações..
e nada é tão complicado quanto pensamos que é!