Liberdade é só um outro modo de dizer que não há nada a perder ; Janis Joplin

domingo, 14 de março de 2010

                                       Baile.
  Pertencer à nobreza sempre possuía suas vantagens, como a festa que se passava naquele tal momento. Era nada mais que um baile, que reunia rapazes e moças de todo o reino para desfrutar de comes e bebes, dançar e conhecer possíveis pretendentes. 
 Delicadamente, com uma de suas mãos, segurou a renda que emoldurava seu longo vestido, enquanto a outra sustentava sua descida da carruagem que a trouxera. Ao entrar, parou repentinamente e pôs-se a observar o salão, debaixo de um imenso lustre que avivava ainda mais aquele rosto cordial, atraindo olhares e principalmente um que lhe chamou a atenção. Este mesmo encarregou-se de ir até onde ela estava.
 - Daria-me a honra desta dança, senhorita? - O rapaz perguntou, enquanto a cumprimentava.
 - Com todo o prazer. - Respondeu Jane, retribuindo o cumprimento.
 Juntos, caminharam em meio ao salão, onde casais dançavam ao som de uma música româtica. Timidamente, ele colocou os braços dela envolto ao seu pescoço, enquanto as suas repousaram na finan cintura dela.
 - Desde sempre freqüento bailes, mas é a primeira vez em que aceito o pedido de um cavalheiro. Considere-se sortudo, de certa forma. 
 - Talvez fosse esse seu excesso de ousadia o motivo da reclusão dos tais cavalheiros. Afinal, chamo-me Samuel, obrigado por perguntar. 
 A aproximidade fez com que ela vasculhasse cada parte de seu rosto, pareciam ter sido esculpidas por um artista grego. Seus cabelos, suavemente bagunçados, adicionavam um ar sexy a aquela beleza.
 - De que me vale o seu nome, se não nos veremos novamente? - Falou Jane, enquanto pôs-se a olhar para o lado.
 - Não se nós não quisermos. - Falou Sam, segurando o seu queixo.
 - Você não tem direito de falar e fazer o que bem entender, mal me conhece. - Afastou seu rosto, fazendo com sua mão caísse. Ela tentava manter-se firme, mas aqueles lábios entreabertos eram como imãs a fim de conduzi-la ao prazer.
 - Você me daria essa chance? - Perguntou Samuel, olhando diretamente em seus olhos. Ele estava a desafiando.
 - Faça por merecer que eu... -  E em um ato de pura ousadia, ele a puxou pela cintura e beijou seus lábios educadamente. Ela retribuiu, seus instintos necessitavam aquilo mais do que ela. Ele afastou seu rosto a alguns centímetros, falando:
 - Fiz por merecer?
 E com um leve sorriso, Jane respondeu:
 - Cala a boca e volta a me beijar!
 

7 Comentários:

Bela Lima disse...

"Ela tentava manter-se firme, mas aqueles lábios entreabertos eram como imãs a fim de conduzi-la ao prazer."

"E com um leve sorriso, Jane respondeu:
- Cala a boca e volta a me beijar!"

Ameeeeeeei!

;**

Mariana Leal disse...

Muito lindo eu adoro esses tipos de textos e sim,estou seguindo, o Sam tem a atitude que muitos caras não tem *-*

Carolina de Castro disse...

Adoro essa época!
=P

Dri Viaro disse...

Oi, passei pra conhecer o blog e desejar boa semana

bjss

aguardo sua visita :)

Juliana Noronha disse...

Bem que podia ter um baile assim ne?!

Deni Maciel disse...

queria uma makina do tempo agora =/


*-*
darei uma sumidinha.
mas em breve retorno.
espero que na posição de o homem mais feliz do mundo...
um abraço e deixo o PUMsamento do dia:
"se varizes também são hemorróidas...
estrias são gonorréias ?...
by Cúgumelo do Sol"

d'morais disse...

Buenas! Bom texto! ;O